Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um sopro na serra

por FH, em 08.02.18

2014
Encontramo-nos no café em frente à estação ferroviária de Sintra. Conheci o trabalho de M através do Facebook. Embrenhado na escrita de um romance, em que uma parte considerável se passa na serra, entrei em contacto com ele para tentar obter alguns esclarecimentos e despistar possíveis incongruências.
M começou a ir para a serra em adolescente, numa paixão, talvez mesmo obsessão, que em breve o levaria a passar noites inteiras sozinho a andar entre a Pena e a Peninha, no meio de árvores antigas e pedregulhos gigantes. Haveria mais tarde de se especializar na recolha das lendas locais muitas delas envolvendo mouros, fantasmas e milagres.
Diz-me que nas suas solitárias deambulações noturnas era habitual perceber que não estava sozinho na escuridão. Ouvia cânticos de grupos ocultos no arvoredo, pessoas a caminharem em silêncio, como ele, por trilhos que quase ninguém conhece e bastante longe das estradas. Fala-me de uma vez em que se instalou para passar a noite entre dois rochedos na encosta do castelo dos Mouros, um lugar em principio inacessível à noite, e percebeu que alguém subia as rochas, ficando a cerca de dois metros, sem dar por si, a sussurrar uma pequena canção, como que um mantra, durante cerca de meia hora, para depois voltar a continuar a subir.
As histórias que M me conta de um modo tímido, como se estivesse habituado à incredulidade dos seus ouvintes, são acompanhadas por um olhar vivo e que me parece honesto. Não tenho dúvidas de que Sintra e a serra são o centro da sua vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 09:54



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D